abr
16

Curso de Leveduras – Chapecó

Curso de Leveduras

Conteúdo – Nível Iniciante

O Curso é voltado a Cervejeiros, onde além de aprenderem sobre a teoria da fermentação aprenderão algumas técnicas:

– Biologia da levedura (morfologia, taxonomia, fisiologia).

– Princípios da fermentação.

– Fatores de stress.

– Taxa de inoculação.

– Coleta de fermento e manuseio.

– Produção de starters.

Material necessário – Apostila impressa (será enviada por e-mail aos inscritos).

Data:

05 de Maio de 2018.

Local:

Senac – Chapecó – Rua Castro Alves, 298E – Bloco A – Sala 8

Horário:

das 8:30hs às 17hs

Valor:

R$ 30,00 para sócios e R$ 150,00 para não-sócios – Para obter o desconto de sócio precisa fazer login na loja.

Para comprar entre na Loja Virtual da ACERVA

IMPORTANTE: OS INGRESSOS COM VALOR PARA ASSOCIADO SÃO PARA USO EXCLUSIVO DOS ASSOCIADOS. NÃO É PERMITIDO QUE SEJA REPASSADO PARA NÃO ASSOCIADOS SEM AS DEVIDAS CORREÇÕES DE VALORES.

Instrutor:

Kurt Bourscheid: Biólogo formado na UFSC e cervejeiro caseiro desde 2008, tem se dedicado a divulgar técnicas e processos para fabricação caseira de cerveja, tendo dado diversos cursos em Santa Catarina. Atualmente é sócio da Basaltica Cervejaria e cursa pós graduação em Tecnologia Cervejeira da ESCM.

Apoio:

senac-sc

mar
27

Regulamento do V Concurso Sul Brasileiro de Cervejas Caseiras

O V Concurso Sul Brasileiro de Cervejas Caseiras (CONCURSO) é uma realização da Associação de Cervejeiros Artesanais de Santa Catarina (ACervA Catarinense) com apoio da ACervA Paranaense e Gaúcha.

A organização do CONCURSO é de exclusiva responsabilidade da ACervA Catarinense por meio de uma Comissão Organizadora formada especialmente para este fim.

ANTES DE MAIS NADA LEIA O REGULAMENTO. É A PRIMEIRA ETAPA DO CONCURSO.

Clique e leia o regulamento

Clique para se inscrever

Lançamento Edital - Sulbrasileiro

 

mar
27

Curso de Higienização para Produtores de Cerveja Caseira – Chapecó

Objetivo: dar aos participantes os conhecimentos básicos para higienizar os utensílios e equipamentos para produção caseira de cerveja

Definição de higienização: Limpeza e desinfecção

Sanitização ou desinfecção?

Legislação básica de higienização e saneantes (Ministério da Saúde)

Detergentes:

  • Diferentes tipos de detergentes
  • Principais matérias primas
  • Usos de cada tipo de detergentes

Sanitizantes:

  • Tipos de microorganismos e características básicas do MO
  • Principais princípios ativos
  • Outros componentes da formulação
  • Vantagens e desvantagens

Tipos de higienização (manual, CIP, tombamento, pulverização, espuma, imersão, etc)

Círculo de Sinner

Tipos de sujidade e como remover

Tipos de superfície e como não danificar

Higienização manual:

  • Quando usar;
  • Fatores importantes do processo
  • Como realizar
  • Combinação com outros métodos

Higienização CIP:

  • Componentes do sistema CIP
  • Fatores importantes do processo
  • Controle do processo
  • Principais problemas

Princípios de Boas práticas de fabricação

  • O que é BPF e sua importância
  • Porque, como e quando lavar as mãos

Princípios de Segurança no manuseio de produtos químicos

  • Consequências da falta de segurança
  • Como as substâncias agem no corpo humano
  • Como prevenir os acidentes
  • Como proceder em caso de acidentes

Data:

7 de Abril de 2018.

Local:

Senac – Chapecó –

Rua Castro Alves, 298E. São Cristóvão.

Bloco A Sala 8

Horário:

das 14hs às 18hs

Valor:

R$ 30,00 para sócios e R$ 150,00 para não-sócios – Para obter o desconto de sócio precisa fazer login na loja.

Para comprar entre na Loja Virtual da ACERVA

IMPORTANTE: OS INGRESSOS COM VALOR PARA ASSOCIADO SÃO PARA USO EXCLUSIVO DOS ASSOCIADOS. NÃO É PERMITIDO QUE SEJA REPASSADO PARA NÃO ASSOCIADOS SEM AS DEVIDAS CORREÇÕES DE VALORES.

Instrutor:

Prof. André Rios

Engenheiro químico e trabalha na K2 Sistemas de Higienização, que é distribuidora dos produtos da Kalykin.

Tem larga experiência na indústria de alimentos e cervejarias da região.

mar
27

Workshop – Água: A Última Fronteira – Balneário Camboriú

Objetivo:
Apresentar os fundamentos teóricos e práticos básicos do ajuste da água na produção de cerveja.
Ementa:
Água: A Última Fronteira
Como o tratamento adequado da água pode melhorar suas cervejas
Teoria e Prática
0. Introdução
1. Entendendo a Água
1.1 – Por que se preocupar com a água ?
1.2 – Principais Íons e suas influências
1.3 – pH, Dureza, Alcalinidade e Alcalinidade Residual
1.4 – Águas Clássicas e Águas da região
1.5 – Onde obter uma análise de água
2. Química da Mosturação
2.1 – Tipos de Malte e Acidez
2.2 – Acidez do Malte e Alcalinidade – pH da Mosturação
2.3 – Como medir o pH da Mosturação
2.3.1 – Prática – Como usar o pHmetro
2.3.2 – Fitas de medição de pH
2.4 – Prática – Observando a queda do pH para diferentes tipos de maltes
2.5 – Estimando o pH da Mosturação – Planilhas de Cálculo
2.6 – pH 5.2 Stabilizer, devo usar ?
3. Ajustando a Água
3.1 – Objetivos do ajuste da água
3.2 – Sais mais utilizados
3.3 – Ácidos e Malte Acidificado
3.4 – pH da mosturação
3.5 – Perfil Mineral – Relação Sulfato / Cloreto
3.6 – Como medir e quando adicionar os sais e ácidos
4. Prática
4.1 – Prática 1 – German Pilsner
4.2 – Prática 2 – English Strong Bitter
4.3 – Prática 3 – New England IPA
4.4 – Prática 4 – Imperial Stout
5. Resumo
6. Bibliografia
Data:
07/04/2018 – Sábado
Horário:
13:00 às 18:00
Local:
Casa do Lúpulo – Av. Portugal ,  31 – SL. 01 – Nações, Balneário Camboriú – SC
Valor:

R$ 30,00 para sócios e R$ 150,00 para não-sócios – Para obter o desconto de sócio precisa fazer login na loja.

Para comprar entre na Loja Virtual da ACERVA

IMPORTANTE: OS INGRESSOS COM VALOR PARA ASSOCIADO SÃO PARA USO EXCLUSIVO DOS ASSOCIADOS. NÃO É PERMITIDO QUE SEJA REPASSADO PARA NÃO ASSOCIADOS SEM AS DEVIDAS CORREÇÕES DE VALORES.

Vagas: 

 
15 vagas
 
Observações:
Cada participante receberá um kit de sais para elaboração de receitas
Levar:
– Notebook/ tablet com Brun Water instalado
Instrutores:
Fábio Koerich Ramos, cervejeiro caseiro desde 2008, Sommelier de Cerveja pela ABS, Juiz BJCP Certified e sócio da Armada Cervejeira.
Ronaldo Dutra Ferreira, cervejeiro caseiro desde 2010, Sommelier de Cerveja pela ABS, sócio da Armada Cervejeira e da Cervejaria Bruxa.

mar
17

Curso de Leveduras – Joaçaba

Curso de Leveduras

Conteúdo – Nível Iniciante

O Curso é voltado a Cervejeiros, onde além de aprenderem sobre a teoria da fermentação aprenderão algumas técnicas:

– Biologia da levedura (morfologia, taxonomia, fisiologia).

– Princípios da fermentação.

– Fatores de stress.

– Taxa de inoculação.

– Coleta de fermento e manuseio.

– Produção de starters.

Material necessário – Apostila impressa (será enviada por e-mail aos inscritos).

Data:

14 de Abril de 2018.

Local:

Senac – Joaçaba – Av. XV de Novembro, 254, Centro.

Horário:

das 8:30hs às 17hs

Valor:

R$ 30,00 para sócios e R$ 150,00 para não-sócios – Para obter o desconto de sócio precisa fazer login na loja.

Para comprar entre na Loja Virtual da ACERVA

IMPORTANTE: OS INGRESSOS COM VALOR PARA ASSOCIADO SÃO PARA USO EXCLUSIVO DOS ASSOCIADOS. NÃO É PERMITIDO QUE SEJA REPASSADO PARA NÃO ASSOCIADOS SEM AS DEVIDAS CORREÇÕES DE VALORES.

Instrutor:

Kurt Bourscheid: Biólogo formado na UFSC e cervejeiro caseiro desde 2008, tem se dedicado a divulgar técnicas e processos para fabricação caseira de cerveja, tendo dado diversos cursos em Santa Catarina. Atualmente é sócio da Basaltica Cervejaria e cursa pós graduação em Tecnologia Cervejeira da ESCM.

Apoio:

senac-sc

mar
15

Workshop Química da Fermentação – São Miguel do Oeste

Conteúdo – Nível intermediário

Parte 1 – Teórica

O curso é um resumo de todos os conceitos aplicáveis na cerveja artesanal do livro yeast. Conceitos teóricos de química e biologia são suporte para o curso, não são o objetivo principal.

  1. Principais mecanismos da fermentação
  2. Produtos primários da fermentação
  3. Produtos secundários da fermentação
  4. Como são formados e como direcionar a fermentação para fazer ou não fazer um determinado produto
  5. Fases da fermentação – Conceitos teóricos, com aproveitar e o que se pode fazer em cada fase.
  6. Fase LAG
  7. Fase Exponencial
  8. Fase estacionária
  9. Morte celular
  10. Melhorando a qualidade da fermentação
  11. Leveduras
  12. Sanitização
  13. Temperatura
  14. Taxa de dosagem
  15. Uso de nutrientes
  16. Problemas comuns da fermentação (E suas soluções)
  17. Fermentação não inicia
  18. Fermentação não termina
  19. Caráter muito frutado e/ou álcoois superires
  20. H2S
  21. Fenóis
  22. Acetaldeído
  23. Diacetil
  24. Atenuação muito baixa
  25. Atenuação muito alta
  26. Fermentação com culturas mistas (opcional)
  27. Técnicas de produção de cervejas sour
  28. Uso de brettanomyces
  29. Estudos de caso

Parte 2 – Prática

A parte dois consiste em uma série de práticas que podem ser feitas por cervejeiros caseiros, O número de práticas possíveis em 4h depende muito do tamanho da turma, podendo ser realizada todas ou apenas as principais.

  1. Observar a levedura no microscópio
  2. Aprender a manusear um microscópio e diferenciar alguns micro-organismos

Material necessário – Microscópio (pelo menos 600x de ampliação), lâmina, lamínula, lama cervejeira.

  1. Contagem de levedura

Material necessário – Microscópio (pelo menos 600x de ampliação), lâmina, lamínula, lama cervejeira, Camara de Neubauer.

  1. Propagação de levedura (só o início do processo)
  2. Objetivo – Desmistificar a propagação de levedura bem como mostrar cálculos e quantidades ideais para um boa propagação

Material necessário – DME, água, levedura a ser propagada, fonte de calor, frasco erlenmeyer 2 litros, barra magnética, erlenmeyer, papel alumínio

  1. Propagação de lactobacillus (só o início do processo)

Material necessário – DME, água, levedura a ser propagada, fonte de calor, frasco erlenmeyer 2 litros, barra magnética, erlenmeyer, papel alumínio, carbonato de cálcio, suco de maçã.

  1. Trabalhando com água. Isolamento e armazenamento de leveduras
  2. Objetivo – Tornar o participante familiar e apto a trabalhar com técnicas simples de laboratório para armazenar suas próprias leveduras ou leveduras comerciais por anos.

DME, água, levedura a ser propagada, fonte de calor, frasco erlenmeyr 2 litros, barra magnética, erlenmeyer, placas de petri descartáveis estéreis, alça de inoculação descartável estéril, gelatina agar-agar

  1. Lavagem ácida

Técnica de recuperação de lama contaminada.

Material necessário – Lama contaminada, pHmetro, ácido fosfórico, gelo

 

Data:

7 de Abril de 2018.

Local:

UNOESC – São Miguel do Oeste – Rua Oiapoc, 211 Bairro Agostini

Horário:

das 8hs às 18hs

Valor:

R$ 30,00 para sócios e R$ 150,00 para não-sócios – Para obter o desconto de sócio precisa fazer login na loja.

Para comprar entre na Loja Virtual da ACERVA

IMPORTANTE: OS INGRESSOS COM VALOR PARA ASSOCIADO SÃO PARA USO EXCLUSIVO DOS ASSOCIADOS. NÃO É PERMITIDO QUE SEJA REPASSADO PARA NÃO ASSOCIADOS SEM AS DEVIDAS CORREÇÕES DE VALORES.

Instrutor:

Jamal Abd Awadallak, Engenheiro Químico, com mestrado e doutorado em Engenharia de Processos Bioquímicos, Professor da Universidade Federal do Paraná, onde ministra aulas de produção de bebidas fermentadas e destiladas e Apresentador do canal BeerSchool no youtube.

Apoio:

Screenshot_1

fev
26

Curso de Fermentação – Tradicional e Sour – ITAPEMA

Ementa:
• Principais microrganismos utilizados na produção de cerveja
• Dicas de fermentação com Saccharomyces
• Técnicas de acidificação
• Como utilizar Lactobacillus para produção de cervejas sour
• Como utilizar Brettanomyces para produção de cerveja wild
• Pediococcus e suas peculiaridades
• Fermentações 100% Brett
• Fermentações mistas
• Keg? Bombona? Barricas?
• PRÁTICA
Tipos de pHmêtros
Manutenção e calibração
Medição de pHs
Principais erros na medição de pHs
• Incluso no curso:
Solução tampão pH 4,01
Solução tampão pH 7,01
Cloreto de potássio3M

Duração:

5 horas

Data:

17 de Março de 2018.

Local:

Burbans cervejaria Urbana Av. Nereu Ramos 4776, sala 15 e 16 – Centro Comercial Nicole Reis – Meia Praia – Itapema

Horário:

das 8hs às 13hs

Valor:

R$ 30,00 para sócios e R$ 150,00 para não-sócios – Para obter o desconto de sócio precisa fazer login na loja.

Para comprar entre na Loja Virtual da ACERVA

IMPORTANTE: OS INGRESSOS COM VALOR PARA ASSOCIADO SÃO PARA USO EXCLUSIVO DOS ASSOCIADOS. NÃO É PERMITIDO QUE SEJA REPASSADO PARA NÃO ASSOCIADOS SEM AS DEVIDAS CORREÇÕES DE VALORES.

Instrutor:

Gabriela Müller Graduada em Farmácia pela Universidade de Caxias do Sul. Mestrado em Biotecnologia pela Universidade Federal do Amazonas. Doutorado em Bioquímica e Pós-doutorado em Biotecnologia e Biociências pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professora da Escola Superior de Cerveja e Malte nos cursos de Pós-graduação em Tecnologia Cervejeira e Mestre Cervejeiro nas disciplinas de microbiologia e bioquímica aplicadas a cerveja, fermentos, análises laboratoriais e controle de qualidade microbiológico. Possui experiência nas áreas de fermentação alcóolica, genética de leveduras e microbiologia aplicada a produção de cervejas. Produz cerveja em casa desde 2011. É diretora técnico-científica da ACervA Catarinense. Proprietária da empresa de fermentos líquidos e kits para controle de qualidade Levteck Tecnologia Viva em Florianópolis/SC.

fev
14

Curso de Elaboração de Receitas – Florianópolis

Objetivo:

A finalidade do curso é mostrar como a ciência pode ajudar na arte de fazer cerveja e como a escolha dos ingredientes influencia no resultado final.

Programação:

1) Ingredientes
✓ Básicos  – água, malte, lúpulo e fermento. Sabores e características de cada um.
✓ Adjuntos – grãos não maltados (cevada, trigo, aveia, centeio, arroz, milho entre outros), açúcares e xaropes. Falamos da percentual de açúcar fermentável em cada um e sua importância; sabor residual que cada um gera; técnicas de uso; adaptação do processo de fabricação para seu uso.
✓ Especiais – especiarias (coentro, casca de laranja, casca de limão, anis, woodruff, grãos do paraíso entre outros), frutas (abóbora, laranja, cereja, avelã, baunilha, cacau).
✓ Sais – quais são os sais utilizados pelo cervejeiro e como fazer com que eles aprimorem o sabor da nossa cerveja.

2) Estilos
✓ Estilos – estilos do BJCP 2.015. Sua história e ingredientes. Com os sabores de cada ingrediente explicado no módulo anterior, aplicamos a técnica e mostramos como fazer cada estilo no detalhe.

O CURSO INCLUI:

✓ Apostila digital
✓ Certificado impresso
✓ Link para download de coletânea de arquivos sobre produção de cerveja

Duração:

8 horas

Data:

24 de Fevereiro de 2018.

Local:

Faculdade SENAC Prainha – Rua Silva Jardim, 360 – Centro, Florianópolis

Horário:

das 9hs às 13hs , das 13hs às 14hs almoço, das 14hs às 18hs

Valor:

R$ 30,00 para sócios e R$ 150,00 para não-sócios – Para obter o desconto de sócio precisa fazer login na loja.

Para comprar entre na Loja Virtual da ACERVA

IMPORTANTE: OS INGRESSOS COM VALOR PARA ASSOCIADO SÃO PARA USO EXCLUSIVO DOS ASSOCIADOS. NÃO É PERMITIDO QUE SEJA REPASSADO PARA NÃO ASSOCIADOS SEM AS DEVIDAS CORREÇÕES DE VALORES.

Instrutor:

 Matheus Aredes

  • Por amor ao hobby, escolheu sua nova profissão.
  • Graduou-se mestre cervejeiro pela VLB Berlim, escola na qual tem como professor ‘papa cervejeiro’ Wolfgang Kunze e Paul Kohlbach criador do Kohlbach Index e em cujo laboratório foram isoladas as cepas da Fermentis S-04 e S-23.
  • Trabalhou em 2 cervejarias alemãs:
  • Brew Baker Berlim e Bayerischer Bahnhof Leipzig, cervejaria na qual é produzida a mundialmente famosa Leipziger Gose fermentada com bactérias láticas e adição de sementes de coentro.
  • Retornando ao Brasil, fundou a Bräu Akademie com a finalidade de trazer o conhecimento adquirido e prover desenvolvimento ao mercado cervejeiro brasileiro.
  • Em paralelo, é professor do curso de mestre cervejeiro na Escola Superior de Cerveja e Malte.
  • Leciona o módulo de Finalização (Filtração, Carbonatação, Envase e Estabilização) e Lúpulo.

fev
13

Workshop – Catharina Sour -Tubarão

Objetivo:
Apresentar o conceito de cervejas sours, em especial a Catharina Sour.  Bem como o passo-a-passo de como fazer uma utilizando a técnica de Kettle Sour.
Dinâmica:
Paralelo a apresentação teórica será feita uma  brassagem de uma Catharina Sour.
Ementa:
Catharina Sour
0. Apresentação e introdução
1. Sour – Conceito e História
1.1 – O que é uma cerveja sour ?
1.2 – A histórias das sours
1.3 – Tipos de cervejas sours
2. Catharina Sour
2.1 – História da Catharina Sour
2.2 – Conceito
2.3 – 34C – Um novo estilo ?
2.4 – Definição
2.4.1 – Geral
2.4.2 – Aparência
2.4.3 – Sabor
2.4.4 – Sensação na Boca
2.4.5 – Dados técnicos
2.4.6 – Exemplos comerciais
2.4.7 – Catharina Sour em concursos
3. Como Fazer
3.1 – Materiais e insumos necessários
3.2 – Definição da Receita
3.3 – Ajuste da água
3.4 – Fluxograma de Produção
3.5 – Sacarificação
3.6 – Primeira Fervura
3.7 – Pré-Acidificação
3.8 – Inóculo
3.9 – Acidificação
3.10 – Controle do Processo
3.11 – Acompanhamento da acidificação
3.12 – Segunda fervura
3.13 – Fermentação alcóolica
3.14 – Frutas
3.14.1 – Como escolher
3.14.2 – Formas de usar
3.15 – Maturação e envase
3.16 – Degustação e Avaliação
3.17 – Off-flavors mais comuns
4. Resumo
5. Referências

Data:

24 de Fevereiro de 2018.

Local:

Rua Felipe Schmidt, numero 137, centro, Tubarão. Edifício Farani, salão de festas

Horário:

13:30hs às 17:30hs

Valor:

R$ 30,00 para sócios e R$ 150,00 para não-sócios – Para obter o desconto de sócio precisa fazer login na loja.

Para comprar entre na Loja Virtual da ACERVA

IMPORTANTE: OS INGRESSOS COM VALOR PARA ASSOCIADO SÃO PARA USO EXCLUSIVO DOS ASSOCIADOS. NÃO É PERMITIDO QUE SEJA REPASSADO PARA NÃO ASSOCIADOS SEM AS DEVIDAS CORREÇÕES DE VALORES.

Instrutor:
Fábio Koerich Ramos, cervejeiro caseiro desde 2008, Sommelier de Cerveja pela ABS/ICB, Juiz BJCP Certified e sócio da Armada Cervejeira.

fev
12

Curso de Análise Sensorial Avançado – Joinville

Objetivo do curso

O objetivo do curso é que o participante aprenda a reconhecer determinados aromas na cerveja, identificando sua origem e, assim, a causa dos defeitos porventura encontrados em suas produções. Outrossim, compreender as origens dos aromas e sabores agradáveis que espera encontrar em seu produto final. Além é claro de propiciar ao participante um embasamento teórico de como melhorar a qualidade de suas cervejas

O que é análise sensorial?

Análise sensorial é definida como “ciência usada para evocar (provocar), medir, analisar e interpretar reações às características dos alimentos e materiais como são percebidas pelos cinco sentidos: visão, olfato, gosto, tato e audição”. A avaliação sensorial é praticada diariamente, a cada vez que apreciamos algum alimento ou bebida, ou mesmo quando os estamos preparando. A análise sensorial, contudo, executada de maneira criteriosa e sistematizada, é um mecanismo valiosíssimo para verificar a qualidade do alimento ou bebida avaliado, buscando interpretar suas características positivas e seus defeitos. Quem pode fazer este curso? Como o curso é voltado à percepção de aromas em cervejas, visando à melhoria do processo, cervejeiros colherão mais benefícios, mas nada impede que os demais apreciadores da bebida tenham estes conhecimentos.

O curso irá contar com 21 parâmetros a serem analisados:

01-Acetaldeído

02-Acetato de etila

03-Acetato de isoamila

04-Acético

05-Alcalino

06-Azedo

07-Butírico

08-Clorofenol

09-DMS

10-Diacetil-1 (Butanodiona)

11-Diacetil-2 (Pentanodiona)

12-Fenólico

13-Gramíneo

14-Hexanoato de etila

15-Isovalérico

16-Mercaptano

17-Metálico

18-Papelão

19-Sulfítico

20-Tanino

21-Vanila

Carga Horária:

8 horas

Data:

03 de Março de 2018.

Local:

Volksbier Cervejaria – Rua Bagé, 709 – Anita Garibaldi, Joinville

Horário:

09:00hs até 12:00hs e das 13:00hs às 17:00hs

Valor:

R$ 30,00 para sócios e R$ 150,00 para não-sócios – Para obter o desconto de sócio precisa fazer login na loja.

Para comprar entre na Loja Virtual da ACERVA

IMPORTANTE: OS INGRESSOS COM VALOR PARA ASSOCIADO SÃO PARA USO EXCLUSIVO DOS ASSOCIADOS. NÃO É PERMITIDO QUE SEJA REPASSADO PARA NÃO ASSOCIADOS SEM AS DEVIDAS CORREÇÕES DE VALORES.

Observação:

Para melhor rendimento em qualquer análise sensorial, evite alimentos agressivos ao paladar ou ao olfato, como café, pimenta, alho, álcool, bem como fazer uso de cigarro, perfumes, loções, colônias, cremes, pós-barbas, batons, etc.

Em função das características do kit utilizado, o número de vagas é limitado à 20 participantes.

O curso apresenta teoria e prática sobre o que é análise sensorial, controle de qualidade, testes e estatística.

São realizados vários exercícios que permitem identificar off-flavours, on-flavours e taints através da perpeção dos sentidos e gostos básicos.

Finalmente é abordada uma revisão teórica com foco nos fatores importantes no processo de produção.

Curso indicado para quem deseja reconhecer aromas em cervejas, visando à melhoria do processo ou mesmo aprimorar habilidades de degustação.

Palestrante:

Fábio Koerich Ramos, cervejeiro caseiro desde 2008, Sommelier de Cerveja pela ABS/ICB, Juiz BJCP Certified e sócio da Armada Cervejeira

Posts mais antigos «